Notícia esportiva em primeiro lugar!

Búzios-RJ é anunciado como sede do Mundial de Stand Up Paddle de 2018

A Associação Internacional de Surfe (ISA, na sigla em inglês), anunciou que Tahara, no Japão, e Búzios, no Brasil, serão as sedes de seus dois principais eventos em 2018: os Jogos Mundiais de Surfe (World Surfing Games – WSG, como é chamado em inglês) e o Mundial de Stand Up Paddle (SUP) e Paddleboard.

No rastro do bem-sucedido Mundial da Dinamarca deste ano, quando o brasileiro Luiz Diniz sagrou-se campeão na modalidade SUP Wave, a ISA escolheu o Brasil para a edição de 2018. Será a primeira vez que a competição ocorre no país.

O SUP é a modalidade de crescimento mais rápido na série de eventos organizados pela ISA. O Mundial de Búzios, entre 23 de novembro e 1º de dezembro, será organizado em parceria pelo Ministério do Esporte, a Prefeitura da Cidade de Armação dos Búzios e a Confederação Brasileira de Surf (CBSurf). O Brasil é um dos mercados de SUP mais importantes do mundo.

Em maio deste ano, o ministro do Esporte, Leonardo Picciani, e o presidente da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf), Adalvo Argolo, estiveram em Biarritz, na França, durante o World Surfing Games. Lá, eles se reuniram com Fernando Aguerre, presidente da ISA. Na ocasião, Picciani e Argolo oficializaram a candidatura de Búzios para receber um dos grandes eventos de 2018.

Leonardo Picciani comemorou a escolha de Búzios e reforçou a participação do ministério no processo de organização do evento. “É com grande prazer que a cidade de Armação dos Búzios é anfitriã do Campeonato Mundial de SUP e Paddleboard. Estamos fortemente interessados na organização do evento e na construção de relacionamentos que possam contribuir para a entrega deste campeonato na cidade de Búzios, considerando que a área é naturalmente dedicada à prática de esportes aquáticos e é o lar de muitos atletas de alto rendimento em várias disciplinas”, afirmou.

O SUP e o paddleboard se desenvolveram com eventos internacionais, quase triplicando de tamanho desde os primeiros Mundiais de SUP, em 2012. A evolução levou à inclusão das modalidades em uma série de grandes eventos multiesportivos, incluindo os Jogos Pan-Americanos de 2019, em Lima, e os Jogos Mundiais da Praia de 2019, além dos Jogos Centenários de 2017, realizados na Nicarágua.

“Levar o Mundial de SUP e Paddleboard para o Brasil, um dos melhores mercados mundiais de surfe, proporcionará uma ótima oportunidade para o crescimento e desenvolvimento do esporte. O ministro Leonardo Picciani garante apoio total para o crescimento do SUP. Tivemos grande sucesso, com a inclusão da modalidade em grandes eventos multiesportivos, e continuaremos a liderar o SUP com o objetivo de inclusão olímpica nos Jogos de Paris, em 2024”, ressaltou o presidente da ISA, Fernando Aguerre.

Já o WSG, campeonato mundial por equipes de surfe, será disputado na cidade de Tahara, na costa sul japonesa, entre 15 e 22 de setembro. A expectativa é repetir o sucesso do Mundial Júnior de Surfe, disputado no Japão no início deste ano.

O surfe está em fase de preparação para fazer a estreia olímpica nos Jogos de Tóquio 2020. De acordo com a ISA, o WSG 2018 no Japão, além de oferecer aos fãs e atletas uma visão sobre como serão as competições da modalidade em 2020, ficará marcado como a primeira edição a ser disputada em completa igualdade de gênero.

O presidente da ISA lembrou a importância que o Brasil e o Japão conquistaram recentemente por seus papéis na caminhada do surfe até se tornar olímpico. “Estamos felizes em anunciar esses excelentes locais para dois de nossos principais campeonatos. O Brasil e o Japão são simbólicos na inclusão histórica do surfe nos Jogos Olímpicos, já que o voto oficial do COI para incluir o surfe no programa olímpico foi feito no Brasil, e o Japão será onde surfe fará a estreia olímpica, em Tóquio 2020”, declarou Fernando Aguerre.

Surfe adaptado

Competindo em San Diego, na Califórnia (EUA), a equipe do Brasil conquistou, no domingo (3.12), a medalha de ouro no Mundial de Surfe Adaptado, evento organizado pela ISA. O time brasileiro faturou seis medalhas, incluindo o ouro de Alcino Neto, mais conhecido como Pirata, na categoria AS-2. O atleta paulista teve a perna esquerda amputada após um acidente de moto. Os outros medalhistas do Brasil foram Monique Aparecida, Davi Teixeira, Fellipe Lima, Fernanda Tolomei e Roberto Pino.

“Essa medalha de ouro da equipe vai inspirar muita gente a entrar no esporte no Brasil. Esse era meu objetivo desde que comecei a promover o esporte, há mais de 20 anos. Esse ouro não é só para mim, mas para todo mundo que participou do evento nesta semana”, declarou Alcino Neto.

Deixe um comentário