Notícia esportiva em primeiro lugar!

EU SÓ QUERIA ENTENDER!

EU SÓ QUERIA ENTENDER!

Acho que não somente eu, mas todo apaixonado torcedor trezeano. Não torço pelo “Galo”, é verdade, mas não me tira o direito de fazer alguma observações sobre glorioso Treze de Campina Grande, talvez a equipe mais conhecida, da Paraíba, em todo território brasileiro. “Eu só queria entender” a razão pela qual o “Galo da Borborema” passa por um momento vexatório, embora alguns pontos sejam claros.

Assim como os demais clubes disputantes do Campeonato Paraibano, o Treze teve o mesmo tempo disponível para formar a equipe. Contratar treinador, jogadores, massagista, preparador físico, médico, etc. Pelo que estamos acompanhando parece que todas as contratações não corresponderam a expectativa. Ou mesmo a diretoria não está se enquadrando no valor do Treze perante a opinião pública.

Alguma coisa errada está acontecendo nas hostes do “Galo”. Ameaçado de ficar fora da classificação para disputa final da competição, não é normal, ou melhor, não se admite para um clube qualificado como o Treze, na Paraíba, no Nordeste, no Brasil. Pode ser que a atual diretoria não esteja afinada para dar respaldo ao grupo! Também pode ser que grande parte do elenco contratado não esteja atendendo as necessidades.

Tem alguma coisa errada nas hostes do Treze. Um clube de conceito nacional honroso para o futebol paraibano, detentor, talvez, da maior torcida na Serra da Borborema! Casa cheia aonde se apresente – Amigão, Presidente Vargas ou em outro centro qualquer – não pode estar passando por esse momento negativo, desrespeitado até por equipes de menor expressão técnica e financeira.

Não só o torcedor trezeano, mas todos os paraibanos, até mesmo aqueles que têm o “Galo” como ferrenho adversário, que ver o alvinegro serrano ostentando grande conceito  no cenário esportivo da Paraíba, e não em uma decrescente condição de sobrevivência como se encontra no momento ao ponto de poder vir de ficar fora de uma fase final do Campeonato por deficiência técnica ou administrativa.

Por Adamastor Chaves

Deixe um comentário