Notícia esportiva em primeiro lugar!

Banner Turismo em Foco web

Ex-atacante Silva monta escolinha e investe no futebol de base da Paraíba

O ex-atacante Silva, paraibano, que atuou em Portugal, Japão, Grécia, Coreia do Sul, Chipre e que mora na cidade de Lagoa Seca, onde tem uma escolinha de futebol, não esconde a sua satisfação em passar sua experiência para quem está começando no esporte.

Conhecedor da realidade do futebol brasileiro, Silva aprova a mudança de técnico na Seleção Brasileira e acredita que com Tite novos tempos virão. Ele detona o treinador Dunga. Silva ainda aponta a falta de profissionalismo no futebol brasileiro.
“Eu aprendi a gostar da Seleção Brasileira na época de Romário, Rivaldo, Bebeto e Ronaldo e nunca concordei com o comando do treinador Dunga. Ele é cabeça dura e não soube escalar a seleção”, disse Silva. Ele deseja boa sorte ao novo treinador Tite, que mostrou ter capacidade no Corinthians.
“Tite gosta de trabalhar, tem outra filosofia”, afirmou o ex-jogador que defende a volta do zagueiro Tiago Silva.Mas ele faz um alerta sobre a participação de empresário por traz da estrutura do futebol brasileiro e isso tem atrapalhado os clubes e a Seleção Brasileira. “Os empresários querem lançar jogadores para ganhar dinheiro. Na seleção não é diferente. O mundo do futebol é nojento e eu parei por isso”.
Nasceu em Campina GrandeElpídio Pereira da Silva Filho nasceu na cidade de Campina Grande, no dia 19 de julho de 1975. Ele começou a carreira depois de fazer um teste no Campinense, mas nem assinou contrato e acabou sendo levado pelo empresário João Feijó, para o Corinthians-AL (hoje o Santa Rita).

Não demorou muito para ganhar as primeiras oportunidades no futebol profissional. Depois ele foi transferido para o Atlético Mineiro, sendo vendido em seguida para o futebol da Europa. Seu maior feito foi fazer parte da conquista da Taça Portuguesa com a camisa do Boa Vista, um clube tradicional que há muitos anos não ganhava um título.

No futebol português, ele atuou ainda pelo Braga, Sporting e Vitória. No Japão, ele jogou pelo Kashiwa Reysol. Depois foi para o Derby Country, da Inglaterra. Teve passagem pelo Suwon Samsung, da Coreia do Sul e Alki Larnaca, do Chipre.

Antes de encerrar a carreira recebeu convite para defender o Campinense, mas aconteceu um desentendimento com empresários e resolveu pendurar as chuteiras, com apenas 33 anos. Com isso, Silva não atuou oficialmente por nenhum clube profissional da Paraíba.

Trabalhar com a base agrada

Mesmo tendo conhecimento no futebol não quer ser treinador profissional por discordar do comportamento de muitos dirigentes e empresários. Por isso, resolveu criar uma escolinha na cidade de Lagoa Seca, onde trabalhar com garotos de oito a 16 anos.

“Antes trabalhei com jogadores com idade bem superior. Mas poucos acompanhavam meus treinamentos que são muito fortes. Sou bastante exigente, pois os meninos têm que seguir a disciplina adotada no nosso trabalho”, afirmou Silva destacando que a escolinha oferece bolsa para garotos carentes.

Com o dinheiro de ganhou ao longo dos anos que atuou, principalmente, na Europa, Silva comprou uma granja na cidade de Lagoa Seca, onde construiu uma casa e tem um campo de futebol. Ele prefere morar numa cidade pequena, que tem uma qualidade de vida, pelo clima rural. “Sinto-me bem aqui, e não troco por qualquer cidade grande”.

Clubes da Paraíba são alvos de crítica

Com experiência de ter jogado durante 16 anos, o ex-atacante Silva critica os clubes da Paraíba que não valorizam as categorias de base, montando times sem estrutura. Ele aponta que, o futebol paraibano está muito longe de chegar à estrutura profissional de uma terceira divisão de Portugal.

“Os clubes de segunda divisão e terceira divisão têm três campos para treinar além do estádio para os jogos oficiais. Além disso, eles fazem um trabalho de quatro cinco meses, antes das competições oficiais. Os clubes europeus têm a preparação de base. Os clubes paraibanos estão muito longe desta realidade”, comentou.

Ele citou o Santos, de São Paulo, como exemplo, para mostrar que o caminho certo para organizar o futebol é valorizar as categorias de base, pois o clube pode montar seus times e ainda vender jogadores, lucrando financeiramente. “Falta organização e profissionalismo no nosso futebol e não vejo Treze e Campinense com esta visão”.

Franco Ferreira


O prazer de dirigir bem equipado

One comment

  1. Angelo Daniel da Silva /

    Sou apaixonado por futebol todas escolinha que entrei nao e escolinha de revelar jogador nunca entrei numa escolinha pra pagar Minha mae nao tem condiçoes de pagar si meu pai pelo menos morasse comigo mas ele nem mora e nao paga pensao e isso. tenho 12 anos sou atacante. Deus e Fiel

Deixe um comentário