Notícia esportiva em primeiro lugar!

Falta de avaliação médica, o uso de anabolizantes, sobrecarga ao extremo do corpo

Segundo a mitologia grega, Pheidippides correu até Atenas com a tarefa de anunciar a vitória dos gregos sobre os persas e morreu ao dar a notícia ao povo ateniense. Provavelmente, este foi o primeiro relato de morte súbita relacionada ao exercício físico que se tem notícia. Embora a estimativa desse mal acontecer não seja grande em pessoas que fazem atividade física regular – – uma a cada 165 mil – a probabilidade pode aumentar para os indivíduos com menor exposição a exercícios, os chamados atletas de final de semana. O risco de infarto agudo no miocárdio aumenta em 19, oito e duas, respectivamente, para pessoas que fazem exercícios uma ou duas, três ou quatro e cinco ou mais vezes por semana.

“O anabolizante, por exemplo, aumenta os músculos, mas, como o coração também é um músculo fica em tamanho muito maior do que deve ser, elevando assim, exponencialmente, a possibilidade de uma parada cardíaca”

Como a procura por academias nessa época do ano aumenta em média 50% em relação a outros meses, em busca do corpo perfeito para o verão, é fundamental redobrar a atenção para o problema, e o melhor caminho é evitar exageros e principalmente prevenir. A dra. Karina Hatano, médica do exercício e do esporte explica que a morte súbita é dividida em dois grupos. “O primeiro com pessoas acima de 35 anos de idade, que sofrem um infarto por conta da aterosclerose, o entupimento das veias com gordura depositada ao longo do tempo. O segundo são daquelas abaixo dos 35 que possuem arritmias ou alterações na estrutura cardíaca congênitas como causa principal”, define a médica também responsável pela avaliação pré-participação esportiva dos jogadores profissionais de futebol do campeonato paulista.

Mas o mal poderia ser perfeitamente evitado. A avaliação médica feita por um especialista na área de esporte, seja para atletas profissionais ou amadores, pode detectar eventuais problemas de saúde.

O médico do esporte investiga a história do paciente, faz testes e solicita exames, entre eles o do coração para detectar alguma alteração inclusive genética. Fornece ainda orientação alimentar e de treino mais adequado para aumentar a eficácia das atividades. A avaliação, segundo a doutora Karina deve ser feita pelo menos uma vez ao ano, sempre com o intuito de se preservar a saúde. Isso porque o esporte ativa o sistema simpático, que aumenta a quantidade de adrenalina. E pessoas com propensão ou problema detectado podem vir a ter arritmia cardíaca e consequentemente um infarto fulminante caso não façam um programa adequado de exercícios para suas condições.

Substâncias utilizadas com o objetivo de acelerar o metabolismo ou de promover a “queima de gorduras”, e aumento da massa também são potenciais causas de morte súbita. “O anabolizante, por exemplo, aumenta os músculos, mas, como o coração também é um músculo fica em tamanho muito maior do que deve ser, elevando assim, exponencialmente, a possibilidade de uma parada cardíaca”, alerta a doutora. E atenta também quanto à sobrecarga exagerada: “algumas pessoas praticam atividade até a exaustão extrema. Não precisa disso para entrar em forma”.

A má formação venosa no cérebro, ruptura da aorta, desidratação severa, infecções no coração são outros problemas que podem levar à morte súbita. Daí a importância de se procurar um médico antes de começar a malhar.

Abaixo os sinais de que o atleta pode vir a se tornar uma vítima morte súbita caso não tome as devidas precauções:
• Batedeira no peito
• Desmaios, ainda que raros
• Eventuais arritmias
• Alimentação e hidratação inadequadas
• Caso familiar de morte por infarto antes dos 50 anos de idade
• Falta de ar frequente

O anabolizante, por exemplo, aumenta os músculos, mas, como o coração também é um músculo fica em tamanho muito maior do que deve ser, elevando assim, exponencialmente, a possibilidade de uma parada cardíaca

O prazer de dirigir bem equipado

Deixe um comentário