Notícia esportiva em primeiro lugar!

Banner Turismo em Foco web

Federações já arrancaram mais de R$ 6 milhões dos clubes em apenas quatro meses

Federações já arrancaram mais de R$ 6 milhões dos clubes em apenas quatro meses. Entidades posaram-se de vítimas, enumeraram gastos com campeonatos, mas esqueceram da mesada da CBF

 As Federações de Norte a Sul precisaram de só quatro meses para arrancar R$ 6.229.037,14 dos seus filiados. Montante retirado apenas em jogos dos Campeonatos Estaduais. O Sr. Goool, nos últimos dias, revelou quanto cada entidade arrecadou à custa dos clubes. As Federações cobram taxa de 5% a 10% sobre a renda bruta dos clubes. Desta forma, as entidades sempre ganham, uma vez que tem sido comum déficits nas rendas líquidas.

Nas poucas alegações enviadas ao Sr. Goool, as Federações posaram-se de vítimas, enumeraram gastos com campeonatos, jogos e clubes. Todas, porém, “esqueceram” de falar da mesada ganha através da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Grana que sobe a cada véspera de eleição na entidade. As Federações também não mencionaram a receita garantida em patrocínios. Os Estaduais passaram a ter nome de patrocinador, artifício usado até no troféu do campeão. Sem falar na cota da TV.

A Federação Cearense de Futebol (FCF), mesmo tomando 8% dos seus filiados, afirmou que gostaria de ganhar mais. A Federação Paraense de Futebol (FPF) exige 10%, o dobro da taxa cobrada em torneios da CBF, e mesmo assim afirmou que “necessita desta pequena porcentagem do campeonato para trabalhar o ano inteiro“. A Federação Pernambucana de Futebol (FPF), por sua vez, jogou a “batata quente” nas mãos dos clubes ao garantir que “a taxa é fixada não pela Federação, mas pelos clubes nos conselhos técnicos”. Já a Federação Paranaense de Futebol (FPF) preferiu a ironia ao falar de um fato grave para as finanças dos clubes.

“A FPF tem despesas na organização de competições que vão desde o futebol amador, categorias de base, até campeonatos profissionais. Se houver uma outra maneira de custear tudo isso, gostaríamos desta orientação”, disse ao Sr. Goool a entidade paranaense por meio de sua assessoria.

“Esta taxa é prevista em Estatuto da Federação há muito tempo, inclusive prevendo que poderia ser de 15%. Entretanto, quando assumimos, optamos por ficar em 10%. Toda receita arrecadada pela Federação Paranaense de Futebol é revertida aos clubes e à própria administração da entidade, que tem funcionários, departamentos, Comissão de Arbitragem, Anti-doping. Por exemplo, neste Campeonato Paranaense, toda a arbitragem da primeira fase está sendo paga pela FPF”, completou a FPF.

Passa pra cá!
A entidade de Hélio Cury engordou os cofres com R$ 527.572,80. Tal montante ultrapassa a arrecadação de 31 clubes dos três estados da região Sul. O FC Cascavel, por exemplo, é o dono da maior renda líquida do Paraná e lucrou apenas R$ 283.979,27. Semifinalistas, Londrina (R$ – 97.807,15), Atlético Paranaense (R$ – 213.817,23) e Coritiba (R$ – 483.127,67) estão no vermelho.

A Federação Paranaense de Futebol (FPF) tem a quinta maior receita do país. Enquanto isso, a Federação Goiana de Futebol (FGF) apresenta renda maior do que todos os clubes do Centro-Oeste.

Nenhuma entidade, porém, supera a Federação Paulista de Futebol (FPF). Os 16 clubes da Série A1 do Paulistão já garantiram a bagatela de R$ 1.848.125,02 à FPF. Apenas o Palmeiras já desembolsou R$ 515.538,67. A receita total das Federações (R$ 6.229.037,14), aliás, só não bate a renda líquida do próprio Verdão (R$ 6.659.807,03).

Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – R$ 827.790,40 -, Federação Gaúcha de Futebol (FGF) – RS R$ 607.546,90 – e Federação Mineira de Futebol (FMF) – R$ 568.978,51 – são as outras entidades com receita superior a meio milhão de reais. De todas as Federações, só a Amazonense não tem taxa sobre a renda bruta dos seus filiados.

“O futebol amazonense é deficitário. Não há motivos para cobrar esta taxa. Os grandes clubes é que fazem uma grande Federação. A FAF abriu mão da taxa de 5% no arbitral. O presidente (Dissica Valério Tomaz) percebeu que não seria possível cobrar esta quantia dos clubes. Isso pesa muito na receita dos times”, informou a FAF.

A Federação Roraimense, por sua vez, desrespeita o Estatuto do Torcedor ao não divulgar os borderôs. Desta forma, não é possível saber o tamanho da taxa. Já a Federação do Amapá ainda não colocou a bola para rolar. O Sr. Goool também entrou em contato com as outras Federações, mas não tivemos respostas.

Confira quanto cada Federação arrecadou à custa dos seus clubes só nos Estaduais 2017:

FEDERAÇÕES ARRECADAÇÃO
FPF-SP R$ 1.848.125,02
FERJ R$ 827.790,40
FGF-RS R$ 607.546,90
FMF-MG R$ 568.978,51
FPF-PR R$ 527.572,80
FGF-GO R$ 385.997,00
FCF-SC R$ 360.281,50
FPF-PA R$ 347.774,90
FBF R$ 131.358,40
FCF-CE R$ 106.249,36
FPF-PB R$ 102.000,00
FPF-PE R$ 89.791,28
FNF R$ 82.220,48
FSF R$ 46.933,15
FFMS R$ 44.413,50
FAF R$ 38.938,24
FMF-MA R$ 35.194,20
FFDF R$ 18.546,45
FMF-MT R$ 17.510,25
FES R$ 15.479,60
FFP R$ 12.380,50
FTF R$ 6.224,20
FFER R$ 6.009,00
FFAC R$ 1.721,50
Rodolfo Brito São Paulo-SP

www.srgoool.com.br

O prazer de dirigir bem equipado


Deixe um comentário