Notícia esportiva em primeiro lugar!

Na base da porrada: A violência já começa na base

Na base da porrada
Na base da porrada | Crédito: Reprodução de TV

Ubatã tem pouco mais de 25 000 habitantes e fica no sul da Bahia. O jogo da seleção local contra a do município vizinho de Gandu, em um torneio regional sub-20, fez com que a letárgica rotina da cidade entrasse em convulsão no segundo domingo de março deste ano. Após uma dividida, a torcida invadiu o gramado do estádio Miuzão e deu início à barbárie. Garotos dos dois times distribuíam socos e pontapés. Os visitantes ainda se defendiam dos golpes de torcedores. Em poucos minutos, a entrada dos vestiários entulhava pedaços de pau, estilhaços de garrafas e uniformes rasgados, sujos de sangue. Cerca de dez meninos de 16 e 17 anos saíram feridos. “Parecia uma praça de guerra”, conta um membro da comissão técnica de Gandu. “Até mulheres e crianças participaram das agressões.”

O enredo de futebol de várzea, no entanto, é replicado com uma frequência alarmante nos celeiros de formação dos principais clubes do país. Há uma epidemia de violência nas categorias de base. Cada vez mais cedo, pilhados por adultos que deveriam zelar por sua educação, crianças e adolescentes têm confundido a virilidade do jogo com a luta livre. No fim do ano passado, a decisão da Liga Gaúcha sub-14 entre Grêmio e Internacional foi paralisada ainda no primeiro tempo por causa de uma pancadaria generalizada. Integrantes da comissão técnica colorada entraram em campo e o preparador físico Eduardo Assis esmurrou a boca de um zagueiro gremista.

Gremistas e colorados, com menos de 14 ano brigaram na final da Liga Gaúcha no ano passado
Gremistas e colorados, com menos de 14 ano brigaram na final da Liga Gaúcha no ano passado | Crédito: Arquivo Pessoal

Rusgas entre os times de base da dupla GreNal não são recentes. Em 2007, houve conflito na decisão do Estadual de juniores, no estádio Olímpico, que terminou com vitória do Grêmio. Seis anos depois, o Inter faturou a competição sub-16 e, ao fim do jogo, até a taça foi derrubada em meio à batalha campal. “O GreNal mexe com os nervos de todo mundo”, diz Francesco Barletta, supervisor da base do Grêmio. “Até jogadores do profissional acabam brigando em situações pontuais. Fazemos um trabalho de conscientização, mas nem sempre conseguimos controlar a rivalidade de jogadores tão jovens.”

Batalha do GreNal, dessa vez entre times sub-16, em 2013
Batalha do GreNal, dessa vez entre times sub-16, em 2013 | Crédito: Reprodução de TV

Ainda em 2014, outro campeonato de base terminou sob a nódoa da violência no Rio Grande do Sul. A final mirim da Copa Safergs teve de ser interrompida aos 40 minutos do segundo tempo quando atletas de Guarany de Bagé e Progresso se pegaram. Em terras baianas, cenas de selvageria como as de Ubatã tornaram-se uma constante em duelos entre Bahia e Vitória nos últimos quatro anos, do infantil aos juniores. O culto a esse tipo de entrevero é propagado na internet. Antes de clássicos, jogadores trocam provocações — e são jurados por rivais — em redes sociais. Por grupos de WhatsApp circulam vídeos de brigas em que os envolvidos se vangloriam de sarrafos e cotoveladas.

“O jogador da base sofre pressão de todos os lados pela vitória”, afirma Alexandre Sebben, olheiro e ex-técnico da seleção brasileira sub-14. “Da família, dos técnicos, de empresários e torcedores. Faz parte da formação, que prepara para o ambiente que ele vai enfrentar no profissional.” Pressão que não leva em conta a faixa etária dos atletas, mas sim as cores da camisa que defendem. Por pouco o último Campeonato Paulista sub-11 não terminou de forma trágica. O Corinthians levou o título sobre o Palmeiras em uma final tensa no Parque São Jorge, rodeada de ofensas entre pais nas arquibancadas. No fim do jogo, bombas e foguetes foram arremessados em direção ao gramado. Um rojão, que teria sido lançado por um torcedor corintiano, explodiu a menos de 5 metros do grupo alviverde.

Na decisão do Paulista, um artefato lançado no campo explodiu a poucos metros de atletas menores de 11 anos do Palmeiras
Na decisão do Paulista, um artefato lançado no campo explodiu a poucos metros de atletas menores de 11 anos do Palmeiras | Crédito: Arquivo Pessoal

Foi horrível e assustador”, conta Gilson Prado, pai de um dos jogadores do Palmeiras que estava no estádio. “A rivalidade contamina muitos pais. Eles se deixam levar pelo fanatismo e transmitem isso para as crianças.” Às vezes, até mesmo familiares de atletas se engalfinham durante as partidas.

Na decisão do Paulista, um artefato lançado no campo explodiu a poucos metros de atletas menores de 11 anos do Palmeiras
Na decisão do Paulista, um artefato lançado no campo explodiu a poucos metros de atletas menores de 11 anos do Palmeiras | Crédito: Reprodução de TV

A erupção do mercado internacional de novos talentos no início da década de 2000 serviu para profissionalizar os departamentos de base dos grandes clubes, equipando-os com alta tecnologia e um corpo técnico engrossado por psicólogos, educadores e assistentes sociais. Ao mesmo tempo, aumentou a competitividade entre as equipes. Rivalidades clubísticas passaram a ser reproduzidas a ferro e fogo na base. Assim como uma comemoração de gol, atitudes violentas de ídolos do time de cima também são copiadas pelos garotos. Alguns deles, inclusive, já ostentam contratos que respondem por boa parte da renda da família e, consequentemente, começam a ser cobrados como adultos. O “processo de profissionalização precoce”, como define Ana Christina Brito Lopes, doutora em sociologia e especialista em direitos da infância no esporte, contribui para brutalizar a base. “Essa cultura da busca incessante pelo resultado estimula a violência. Crianças e adolescentes, que são pessoas em desenvolvimento, ficam expostos a uma espécie de ‘vale-tudo’ no futebol.”

Relatos (e fatos) selvagens

Em janeiro, pela Copinha, o torneio de juniores mais tradicional do Brasil, o meia Matheus Cassini e o lateral Matheus Reis trocaram empurrões e cusparadas no clássico entre Corinthians e São Paulo. Um lance não muito incomum em jogos de marmanjos, mas que não deixa de ser sintomático por envolver jogadores que estão no fim de seu ciclo pela base. Reflexo contraditório de uma formação talhada em torno da disciplina, com métodos rígidos de respeito às regras e à hierarquia dos clubes, semelhantes aos de organizações militares. “O futebol é um ‘esporte de invasão’, simboliza uma guerra entre dois exércitos em que o objetivo de um é dominar o espaço do outro. É também um espelho do nosso tempo, de uma sociedade que tem pouco tempo para os filhos. Atos violentos dos garotos na base são um indicativo da carência de estrutura familiar”, afirma o educador e pesquisador Mario Luiz Couto Barroso, autor de estudos sobre futebol e violência.

Clubes mais estruturados reconhecem o problema e tentam contra-atacá-lo. O Palmeiras faz reuniões trimestrais com os pais de seus atletas da base e orienta para que torçam pelos filhos sem hostilizar adversários. Depois da briga no Grenal sub-14, o Inter demitiu os dois profissionais de sua delegação envolvidos nas agressões aos meninos do Grêmio. Os dois clubes abriram mão de disputar uma nova fnal e o troféu foi entregue ao Juventude, terceiro colocado na competição. Duas semanas depois da confusão, ambos organizaram um encontro entre seus times para uma palestra com o ex-zagueiro Régis, que superou 19 dias de internação à beira da morte e teve de encerrar a carreira precocemente por causa de um soco de Darzone, há 15 anos.

Medidas também vêm sendo tomadas para tornar a relação entre arbitragem e garotos mais pedagógica, como a orientação em alguns campeonatos de não expulsar e usar a punição com cartão a jogadores com menos de 16 anos apenas em último caso. No entanto, assim como no profissional, o encontro entre as partes não costuma ser harmonioso. Árbitros reconhecem que, por vícios da atividade, acabam cometendo excessos ao utilizar o mesmo tipo de conduta que mantêm com atletas mais velhos. Por outro lado, criticam o comportamento de técnicos e pais que insufam jogadores contra o apito. “Na base, tratam o garoto como jogador feito, não como uma criança. É uma geração indisciplinada, sem noção de limites”, diz o árbitro Luis Fernando dos Prazeres de Souza, que apitou a final do sub-11 entre Palmeiras e Corinthians e afirma já ter recebido diversos xingamentos e cusparadas de jovens atletas em suas incursões pela base.

Em 2011, um jogador argentino de 16 anos, do Boca Juniors, teve um acesso de fúria após levar cartão vermelho e agrediu o árbitro da partida contra o Atlético-MG em torneio internacional realizado em Belo Horizonte. Prova de que a violência nas categorias de base não é exclusividade do futebol brasileiro. Nem por isso ela deve ser relativizada. Um mero embate amistoso pode provocar reações extremas em crianças e adolescentes. O bandeirinha holandês Richard Nieuwenhuizen foi espancado em campo por cinco jogadores de 15 e 16 anos. Pai de um dos atletas juvenis do time adversário, ele morreu no hospital menos de 24 horas depois da partida, em dezembro de 2012, devido a severas lesões no cérebro, já que havia recebido vários chutes na cabeça no momento em que o grupo o derrubou. No ano seguinte, o árbitro Ricardo Portillo recebeu um soco pelas costas de um goleiro de 17 anos, em Salt Lake City, nos Estados Unidos. Ficou oito dias em coma, mas, assim como Nieuwenhuizen, não resistiu. Tinha quase o triplo da idade de seu agressor.

Jogador de 16 anos do Boca Juniors discutiu com o árbitro no fim do jogo contra o Atlético-MG e se revoltou com expulsão
Jogador de 16 anos do Boca Juniors discutiu com o árbitro no fim do jogo contra o Atlético-MG e se revoltou com expulsão | Crédito: Reprodução de TV

A CARTILHA SUJA DA BASE

Auxiliar técnico com quase dez anos de experiência em trabalhos de formação revela práticas comuns no meio

Provocações

“Já vi treinador ordenar que um menino puxasse o cabelo do outro ou até passasse a mão em partes íntimas para desestabilizar o adversário e cavar uma expulsão.”

Deslealdade

“Se o jogo está pegado, ainda mais em uma decisão, poucos técnicos recomendam prudência aos garotos nas jogadas. Pelo contrário, incitam a violência. Alguns mandam bater, sem dó.”

Simulação

“Trabalhei com uma comissão técnica de sub-15, em time menor, que ensinava os jogadores a cavar faltas. Um dia questionei esse método e ameaçaram me demitir.”

Truculência

“Desde pequenos, os atletas se dirigem aos árbitros com agressividade e desrespeito. Revidam na mesma moeda, já que a arbitragem não educa, apenas se impõe com gritos e xingamentos.”

“Maldades”

“Os técnicos perdem a mão ao tentar ensinar pequenas malícias do futebol às crianças. Elas acabam achando que ser ‘boleiro’, o bom malandro, é dar cotovelada ou cuspir no rosto do rival.”

O SOBREVIVENTE

Ele perdoou o goleiro-algoz, mas sua carreira entrou em declínio depois de uma voadora

Em 2011, o volante Elivelton jogava pelo Vasco quando foi atingido na nuca por uma voadora do goleiro Gustavo, do Sport, pela Taça BH de juniores. Ele deixou o campo desacordado, em uma ambulância. Dispensado do time carioca, passou seis meses sem clube no ano passado e pensou em parar. Hoje, aos 23 anos, tenta se reerguer no Primavera, que disputa a terceira divisão de São Paulo.

“Por sorte, não tive uma lesão grave depois daquela agressão. Minha mãe estava assistindo ao jogo pela TV e ficou em choque. Na hora, parecia que tinha sido fatal.”

Elivelton passou do susto na base vascaína ao recomeço no Primavera, de Indaiatuba
Elivelton passou do susto na base vascaína ao recomeço no Primavera, de Indaiatuba | Crédito: Renato Pizzutto
Fonte: Revista PLACARPor: Breiller Pires

Deixe um comentário