Notícia esportiva em primeiro lugar!

PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DO JOIO E DO TRIGO

PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DO JOIO E DO TRIGO

 

“A omissão é o pecado que se faz não fazendo”
(Padre Antônio Vieira)

O cambaleante futebol paraibano precisa urgentemente ser passado a limpo das denúncias que caminham lado a lado, ombro a ombro, passo a passo, ano após ano maculando a sua imagem e servindo de chacota para a imprensa do país. Estamos desacreditados, manchados, olhados com desconfiança e desdém. De quem é a culpa disso tudo? Não sabemos ou não queremos saber?

Nem encerramos a fase processual da Operação Cartola, que na parte de investigação flagrou inúmeros partícipes do nosso futebol em tenebrosas e obscuras transações, culminando inclusive com uma reportagem a nível nacional no programa Fantástico, da rede globo de televisão, veio o segundo grande escândalo com o bem bolado programa governamental Gol de Placa, transformado em gol contra, em virtude de fraudes cometidas por nossos “abnegados dirigentes”.

E pelo meio do caminho ainda há, não uma pedra, como disse o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, mas uma eleição com denúncias de cooptação fraudulenta de votos na FPF, antiga e bondosa genitora que há décadas foi transformada em uma madrasta má e cruel com os seus enteados filiados.

Agora, pasmem, ao iniciarmos o nosso desmotivado campeonato estadual, que por sinal teve a primeira rodada adiada por incompetência generalizada dos vários órgãos responsáveis pelos laudos necessários e legais, aparece a denúncia da existência de uma máfia que estaria controlando resultados de determinados jogos, com a intenção de beneficiar uma suposta loteria de apostas.

Quem primeiro abriu o verbo foi o presidente do Sousa Esporte Clube, Senhor Aldeone Abrantes, militante do nosso futebol desde o século passado, ou seja, conhecedor das entranhas, das manhas, dos subterfúgios e dos porões do nosso moribundo futebol.

Parodiando o cancioneiro popular eu digo que entra ano, sai ano, e nada vem, o nosso futebol continua sempre ao deus-dará. Então eu pergunto aos homens de bem do nosso futebol, que por sinal ainda são muitos, e competentes, se não chegou a hora dos senhores separarem o joio do trigo? Cobrarem as responsabilidades dos malfeitores? Afastarem a bandidagem que insiste em andar próximo com os senhores? Expurgarem de uma vez por todas esses nocivos elementos travestidos de desportistas e que indiretamente sujam também o nome dos senhores?

Há um ditado popular que diz que todos são farinha do mesmo saco.  Normalmente, essa expressão é utilizada em sentido de reprovação, para rotular indivíduos de caráter duvidoso. Desta forma, ao falar “farinha do mesmo saco” a intenção é insinuar que pessoas de má índole costumam estar sempre juntas de seus semelhantes.

Tenho plena certeza que esse ditado popular não combina com a formação e a índole dos senhores, muitos dos quais inclusive tenho o privilégio de desfrutar da verdadeira e profícua amizade.

Então, acho que chegou a hora de todos os verdadeiros e honestos desportistas do estado que presidem clubes, FPF, tribunal desportivo, associação de árbitros e associação de cronistas, subscreverem um documento e oficiarem ao Ministério Público e a Polícia Federal, solicitando com urgência uma varredura no nosso futebol, antes que ele se acabe.

Já é hora de separarmos o joio, queimá-lo, para posteriormente colhermos o trigo em abundância!
Por Serpa Di Lorenzo

Causos & Lendas do Nosso Futebol

Deixe um comentário

Error, no Ad ID set! Check your syntax!
Error, no Ad ID set! Check your syntax!
Error, no Ad ID set! Check your syntax!