Notícia esportiva em primeiro lugar!

Soesporte lamenta a morte de Valter Cruz

Campeão por Auto Esporte, Campinense e Santa Cruz, o lateral-direito Valter Cruz, faleceu neste sábado, deixando o futebol paraibano de luto. Toda família do soesporte.com.br lamento o passamento deste grande profissional e amigo do povo desportista.

Valter Cruz surgiu para o futebol profissional, definitivamente, na década de 80, quando defendeu o Auto Esporte, campeão estadual de 1987, quando o clube do povo formou um dos melhores elencos de sua história, comandado por Vitor Hugo.

O jogador natural de Santa Rita, ainda defendeu Campinense, Santa Cruz e Botafogo. Sempre amigo entre os desportistas, o Valter Cruz não resistiu uma enfermidade e faleceu na madrugada deste sábado.

Um grupo de amigos, do jogador, vão realizar uma partida beneficente neste domingo, às 8h, no estádio Teixeirão, em Santa Rita. O jogo já estava programado e os produtos arrecadados serão encaminhados para os familiares de Valter Cruz.

Autor: Sidney Barbosa da Silva       24/Julho/2007

Auto Esporte Campeão Paribano de 1987

Auto Esporte Campeão Paraibano de 1987

O número de títulos que o Auto Esporte conquistou daria para ser contado nos dedos de uma mão: ganhou em 1939, no ano de sua fundação, repetiu a façanha dezessete anos depois, em 1956, e vencera pela última vez em 1958.

Para o inicio do campeonato paraibano de 1987, o presidente João Máximo trouxe para treinar o time o gaúcho Vítor Hugo, que custou na época 45 mil cruzados mensais, um salário acima da realidade do futebol paraibano. Junto com o treinador, o time trouxe do arqui-rival Botafogo, os atacantes Porto e Isaías, e o meio-campo Zé Carlos Silva. Do Santa Cruz, do Recife, o goleiro Vino, o lateral Carlito e os armadores Ivo e Tola. Do Auto Esporte do ano anterior só foram aproveitados os ex-juniores Marcone e Sérgio.

A reformulação deu certo e encheu de otimismo a torcida alvirrubra, que voltou aos estádios e vibrou com a conquista do segundo e terceiro turnos contra o Botafogo, dando-lhe a vantagem de jogar pelo empate na finalíssima em 02 de setembro de 1987, uma quarta-feira.

A conquista do Auto derrubou uma escrita que prevalecia desde 1960: há 27 anos os dois grandes clubes da capital não faziam a decisão entre si. Sempre havia um time de Campina Grande na finalíssima – ou os dois, Campinense e Treze. Agora foi diferente, o Auto Esporte Clube investiu e voltou a ser o grande clube dos anos 40 e 50, ressurgindo com força total.

Valeu esperar!!!

Campanha
Guarabira: 1×0, 1×0 e 1×0
Nacional (Patos): 1×0, 1×0 e 4×0
Treze: 0x1, 0x0 e 0x1
Santos: 2×0, 2×0 e 2×0
Botafogo: 1×1, 2×0 e 1×0
Esporte: 1×0, 1×1 e 5×0
Nacional (Cabedelo): 1×0, 3×0 e 2×0
Santa Cruz: 1×1 e 3×1
Campinense: 1×2, 3×0 e 3×2
Total: 26J, 19V, 4E, 3D, 43GM, 10GS
Os campeões: Vino e Adaílton, goleiros; Neurilene, Marcone, Zé Carlos Silva, Lúli, Válter Cruz, Porto, Carlito, Dagoberto, Dentinho, Isaías, Bona, Tola, Farias e Anchieta.

Comissão técnica: Vitor Hugo (Técnico); Válter Bandeira (Médico); Gutemberg e Eduardo Eugênio (Preparadores Físico); e Galego (Massagista).

»» Isaías Ferreira da Silva, que na época tinha 26 anos, foi o artilheiro do clube com 14 gols.

Sidney barbosa da SilvaPesquisas de Sidney Barbosa da Silva
Fonte: Revista Placar dos Campeões de 1987
Página adicionada em 24 de julho de 2007.

Acesse Rádio Soesporte e saiba tudo do nosso futebol, o esporte da Paraíba 

Deixe um comentário