Campinense

Campinense

Campinense Clube é uma agremiação esportiva de Campina Grande, no estado da Paraíba, fundada em 12 de abril de 1915, por 29 pessoas. Sendo o único time do estado hexa e pentacampeão Paraibano.

Tem como seu maiores resultados a conquista da Copa do Nordeste em 2013 bem como seu vice-campeonato em 2016.

Os resultados recentes na principal competição regional do país consagra o clube como um dos mais importantes da região como também um dos mais importante do estado na competição.

Historia

Quando Campina Grande nem sequer contava com luz elétrica e a cidade tinha pouco mais de 10 mil habitantes, o Campinense Clube foi fundado no dia 12 de abril de 1915, como uma sociedade recreativa dançante, que se chamava Sociedade Recreativa Campinense Club.

Houve várias reuniões, até que finalmente o jovem advogado Hortêncio de Souza Ribeiro, depois de uma reunião “quente”, sugeriu que o clube passasse a se chamar Campinense, esse nome retratava tudo, inclusive a vaidade e o bairrismo dos fundadores, o nome obteve votação unânime.

O Campinense Clube surgiu como uma agremiação social, promovia bailes carnavalescos e juninos, quermesses e diversos encontros culturais na sociedade campinense.

1917: Primeiro time

No ano de 1917, o presidente do Campinense, Arnaldo Albuquerque, criou um departamento de esportes, surgiu então o primeiro time de futebol do Campinense. Normalmente os jogadores do Campinense até nesse fase eram jovens estudantes, que jogavam futebol sem interesse financeiro.

O Campinense venceu sua primeira partida em junho de 1919, 1 a 0 contra o América, time local da cidade.

Primeira rivalidade e fim do futebol no clube

O primeiro rival do Campinense foi o América, e sempre que havia jogo entre essas duas equipes era sempre esperada briga, as coisas esquentaram mesmo em 1919 quando o Campinense conseguiu sua primeira vitória na história, venceu o América por 1–0, como havia muitas brigas e confusão após os jogos, os sócios estavam insatisfeitos, porque se esperava a restrição da prática do futebol apenas para os filhos dos sócios, a presença dos populares não agradou em nada as elites.

Em 1920

A diretoria resolveu acabar com o Departamento de Futebol do Campinense Club.

O clube continuou funcionando, mas apenas como clube social na organização festas carnavalescas e juninas, além de outros atrativos como colações de grau, concurso de Miss Campina Grande, shows com cantores diversos, etc. Por 25 anos o Grêmio Renascença (posteriormente Aliança Clube 31) foi a maior rival do Campinense, as duas agremiações disputavam para saber quem fazia o melhor carnaval de Campina Grande. Antes de ser desativado, o Campinense realizou 8 partidas e foi vice-campeão do Campeonato da Cidade em 1919 e 1920.

Na década de 1930

O clube cartola construiu sua sede própria, na antiga Praça do Catavento, posteriormente Praça Cel. Antônio Pessoa. Essa sede foi inaugurada em 22 de fevereiro de 1936 e foi construída com fundos próprios pelos seus associados e com a ajuda do então Prefeito Antônio Almeida que cedeu materiais da antiga cadeia pública demolida em 1935.

1950: O Retorno

Em 1954, o Campinense voltou a praticar futebol, com a presidência do Dr. Gilvan Barbosa, houve muita discussão para que isso acontecesse, pois alguns membros não queriam tal coisa, mas o médico Gilvan Barbosa foi um que mais apoiou a ideia e era o presidente do clube na época,o s jogadores do clube na época treinavam no sábado a tarde para não atrapalhar o trabalho de seus integrantes, mesmo assim alguns abandonaram a equipe por não conseguir conciliar o tempo produtivo.

No dia 12 de março de 1954 o Campinense volta as atividades futebolísticas, só que com a denominação “Centro Esportivo Campinense Clube-CECC”, o CECC tinha como finalidade incentivar a prática de vários esportes: basquete, vôlei, tênis etc. Em julho de 1954 o clube conseguiu sua primeira vitória após a volta ao futebol, 3–2 contra o Ferroviário de José Pinheiro, numa decisão por pênaltis, cobrados por Eurimar Oliveira. Inicialmente o CECC era só para o lazer dos associados, era tudo amador.

A preocupação era muito grande,o Departamento de Futebol do Campinense, tinha seu próprio estatuto, com treinamentos realizados em outro espaço,completamente separado das atividades sociais do clube até com presidente próprio.

No Campinense, o futebol foi a porta de entrada para os populares.

Em 1955

Foi inscrito o primeiro time de futebol do Campinense em sua primeira competição oficial, a Liga Campinense de Futebol, que era um torneio municipal de Campina Grande.

O Campinense foi o vice-campeão em 1955,1956,1957, o que era algo incrível, pois o Campinense era um clube amador, e mesmo assim conseguia tais feitos, no dia 13 de outubro de 1957, o Campinense venceu o Treze (equipe profissional) por 2–1, foi a primeira vitória do Rubro-Negro em cima do seu maior rival, isso gerou muito rumores que o Campinense poderia se profissionalizar, porquê mesmo sendo uma equipe amadora, conseguirá bater a um clube profissional.

Pré-profissionalismo

Existia muito frisson por parte da impressa de Campina, cada vez mais aumentava os rumores que o Campinense iria se profissionalizar, essa profissionalização gerava desconfiança até entre os sócios do clube, havia muita polêmica, várias reuniões foram feitas, a impressa apresentava propostas de como seria esse caminho de profissionalização, por outro lado os jornalistas exigiam um “profissionalismo limpo”, que seria uma folha de pagamento relativa.

Nessa fase de pré-profissionalismo, existia na cidade outra equipe, conhecida como Esporte Clube Campinense,a inda em 1958 houve uma tentativa de fusão entre essa equipe e o Campinense Clube, a ideia era chamar essa nova equipe de Campinense Esporte Clube, mas não houve acordo entre as partes, os clubes tinham bens próprios e não abriam mão de suas referências clubísticas.

Em 1958

O clube se profissionalizou, no início de 1959 chega os primeiros jogadores profissionais do Campinense, as primeiras contratações do Campinense foram o goleiro Josil e o meio-esquerda Bruno. Seguiu assim várias contratações:o meia-direita Tim, o centro-médio Jaime, do Esporte, e o apoiador Zito, que atuava na cidade de Patos.

A equipe também contava com nomes conhecidos como Marinho, Eudes, Paulo, Gilvandro, Murilo, ex-atletas do Guarany, do Senhor Elias Mota, principal equipe de futebol amadora dos anos 50 da cidade de Campina Grande.

O primeiro artilheiro

O primeiro artilheiro do Campinense foi Miro. O banqueiro Newton Rique emprestou ao clube a importância de 50 mil Cruzeiros, quantia que viabilizou a profissionalização do departamento de futebol do clube. Isso mostrava a força econômica do Campinense, que desde do princípio, tanto é que o clube é conhecido até hoje como “Aristocrático”, dinheiro era o que não faltava no Campinense.

Quando tornou-se clube profissional, o Campinense precisava de um estádio. Foi então que os dirigentes da época, solicitaram uma parceria com a prefeitura através de comodato.

O prédio era público, mas administrado pela iniciativa privada, no caso o Campinense.

Pelo acordo, o Campinense ficou responsável por concluir o estádio, erguendo as arquibancadas geral e implantando pista de atletismo, quadra, piscina olímpica e iluminação.

Campinense Clube

  • Nome: Campinense Clube
  • Alcunhas: Raposa, Rubro-Negro Paraibano, Clube Cartola, Raposa Feroz
  • Torcedor/Adepto: Raposeiro
  • Mascote: Raposa
  • Principal rival: Treze
  • Fundação: 12 de abril de 1915 (105 anos)
  • Estádio: O Renatão
  • Mando de jogo em: O Amigão
  • Localização: Campina Grande, Brasil

Fonte: Wikipedia

Grupo B

PosTimeJVEDGPGCSGP
17412156913
284131010013
38224914-58
48215712-57
5813438-56