Notícia esportiva em primeiro lugar!

Memória do Esporte Olímpico Brasileiro e curiosidades olímpicas

O assessor do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, Alfredo Cardozo da Silva, manda parte do programa Petrobras Esporte & Cidadania, divulgando os documentários vencedores no edital de 2011 e as inscrições deste ano.

“Aproveitando o momento de Olímpiadas, fizemos uma relação dos documentários com curiosidades das modalidades abordadas nos filmes e seus atletas. Se houver interesse temos os contatos das produtoras e atletas homenageados nos documentários”.

Sobre o MEOB

O projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro é uma parceria entre a Petrobras, ESPN Brasil, Instituto de Políticas Relacionais, Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura e Cinemateca Brasileira e está em sua segunda edição em 2012.

Em 2011, foi lançado o primeiro edital para escolher nove projetos de documentários sobre o esporte olímpico brasileiro, exceto futebol. Para participar do novo edital, as produtoras deverão estar cadastradas na Ancine. Como novidades, nesse segundo ano, as inscrições serão feitas online, por meio do site do projeto (www.memoriadoesporte.org.br), a partir de 25 de junho. A concorrência contará com duas etapas de seleção. Na primeira, serão analisadas as propostas conforme sua relevância e aderência ao edital. Na segunda fase, os classificados concorrerão entre si em um pitching (defesa oral), feito para uma banca de profissionais que definirá os nove finalistas. Estão previstas também participações dos produtores no II Encontro Esporte, Cultura & Memória, que contribuirão para a produção do filme.

Iatismo (29/07 – 11/08)

Você sabia que ao lado do judô, o iatismo é a modalidade olímpica que mais deu medalhas para o Brasil? No total foram 16, sendo seis de ouro, três de prata e sete de bronze. Em 1968, nas Olimpíadas do México, o brasileiro Reinaldo Conrad se tornou o primeiro medalhista olímpico da história do país na modalidade, quando conquistou o bronze. E em 1976, nos Jogos de Montreal, ele repetiu a dose. Paulistano, hoje com 74 anos, Conrad aprendeu a velejar na represa de Guarapiranga (SP), competiu em cinco edições dos Jogos e tem o sonho de participar das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

O videodocumentário do diretor Murilo Salles, “Reinaldo Conrad: A origem do Iatismo Vencedor”, conta a sua trajetória. Confira trailer pelo link: http://youtu.be/WWailU-aY2w

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Tiro (28/7 – 06/08)

Você sabia que foi pelo tiro que o Brasil ganhou suas primeiras medalhas olímpicas na história? O feito aconteceu nos dias 2 e 3 de agosto de 1920, nos Jogos Olímpicos de Antuérpia, na Bélgica. No dia 2, o Brasil ganhou duas medalhas, uma de prata, na prova de pistola livre 50 metros com o atirador Afrânio Costa, e uma de bronze, na pistola livre por equipe com Afrânio da Costa, Dario Barbosa, Fernando Soledade, Guilherme Paranaense e Sebastião Wolf. A sonhada medalha de ouro viria no dia seguinte, com o atirador Guilherme Paranaense no tiro rápido de 25 metros. O documentário do diretor José Roberto Torero Jr, “Ouro, prata, bronze e… Chumbo”, traz a trajetória da equipe que entrou para história do esporte olímpico brasileiro. Confira o trailer pelo link: http://youtu.be/q_yIlMmegPo

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Atletismo (3/8 – 12/8)

Nota 1: Aida dos Santos

Você sabia que há quase 50 anos, Aida Santos, marcou história no atletismo nacional?  Sem nenhum apoio, treinador, tênis e até uniforme próprio, a carioca de 75 anos de idade entrou para a história conquistando o quarto lugar no salto em altura nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 1964. Mesmo sem nenhuma estrutura, Aida teve o melhor desempenho de uma brasileira na história dos Jogos até as Olimpíadas de Atlanta em 1996, quando as atletas Jacqueline e Sandra conquistaram a medalha de ouro no vôlei de praia.

O documentário do diretor André Pupo, “Aida dos Santos, Uma mulher de garra”, traz a emocionante história da atleta que entrou para a história do esporte Olímpico nacional. Confira o trailer pelo link: http://youtu.be/51NBWRfh5ls

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Nota 2: José Telles

Você sabia que no dia 20 de julho de 1952, José Telles da Conceição foi o primeiro representante brasileiro da história do atletismo a subir ao pódio? O feito aconteceu nos Jogos Olímpicos de Helsinque, na Finlândia. José Telles conquistou a inédita medalha de bronze no salto em altura.

O documentário do diretor André Klotezl, “De Olaria a Helsinque – A história de um Salto” traz a história do multiatleta que além de representar o Brasil no salto triplo e no salto em altura em 1952, também representou o país nos 200 metros rasos e revezamento dos 4×100 metros nas Olimpíadas de 1956 em Melbourne, na Austrália, e nos 200 metros rasos nos Jogos de 1960 em Roma, na Itália. Confira o trailer pelo link: http://youtu.be/TNywWEpT9as

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Nota 3: Adhemar Ferreira da Silva

Você sabia que Adhemar Ferreira da Silva é o único atleta brasileiro que conquistou duas medalhas de ouro consecutivas em uma mesma prova em Jogos Olímpicos? Seus feitos aconteceram nos Jogos Olímpicos de 1952 em Helsinque, na Finlândia e em Melbourne, na Austrália em 1956. Adhemar conquistou seu bicampeonato no salto triplo e em 2012 foi imortalizado no Hall da Fama do atletismo.

O documentário dos diretores Rafael Terpins e Thiago Brandimarte Mendonça , “O Salto de Adhemar”, conta a história do atleta que marcou a história do esporte olímpico brasileiro. Confira o trailer pelo link: http://youtu.be/GzLZhhrHtzc

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Natação (28/7 – 10/8)

Você sabia que a ex-nadadora Maria Lenk foi a primeira mulher sul-americana a competir em Olimpíadas? O feito aconteceu nos Jogos Olímpicos de Los Angeles em 1932. Para custear a viagem, a nadadora e os outros 68 atletas da equipe brasileira venderam café no porão do navio que os levaram até Los Angeles. Maria Lenk jamais conquistou uma medalha, porém foi a responsável pela introdução do nado borboleta nos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936.

O documentário do diretor Iberê Carvalho, “Maria Lenk – A Essência do Espírito Olímpico”, compartilha com todos os brasileiros as histórias e recordações generosamente contadas pela nadadora. Um material único, de valor inestimável para a memória do esporte olímpico brasileiro. Confira o trailer pelo link: http://youtu.be/WzhEiY3v2iY

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Boxe (28/7 – 12/8)

Você sabia que o responsável pela única medalha olímpica do Brasil no boxe se chama Servílio de Oliveira? O ex-boxeador conquistou o bronze nos Jogos Olímpicos do México em 1968.

O documentário da diretora Renata Sette Aguilar, “A Luta continua – Um documentário em 12 Rouds” procura desvendar o homem por trás da medalha e mostrar toda a sua emocionante saga para disputar os Jogos Olímpicos do México.
Confira o trailer pelo link:  http://youtu.be/79uDSDAjd_Y

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Vôlei (28/7 – 12/08)

Você sabia que o vôlei feminino só conquistou sua primeira medalha olímpica em 1996, nos Jogos de Atlanta? As responsáveis por este feito foram Fernanda Venturini, Ana Moser, Márcia Fu, Hilma, Ana Flávia, Ida, Ana Paula, Virna, Leila, Fofão, Filó e Sandra. Base da equipe titular da seleção, as atletas trouxeram o bronze para o Brasil após um emocionante jogo contra a seleção russa.

O documentário do diretor Fábio Moreira, “Pátria”, conta a história dessa formidável equipe de vôlei, que conquistou o primeiro pódio olímpico da modalidade e colocou o Brasil na elite do esporte.
Confira o trailer pelo link: http://youtu.be/loun-5EWRGw

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Tênis de Mesa (28/7 – 8/8)

Você sabia que o tênis de mesa se tornou esporte olímpico nos Jogos de 1988, em Seul? Desde então, o Brasil nunca conquistou uma medalha, mas revelou ídolos como Claudio Kano e Hugo Hoyama. Claudio conquistou 12 medalhas em Pan-Americanos, sendo sete de ouro, e participou de duas Olimpíadas (Seul, 1988, e Barcelona, 1992). O mesa-tenista teve sua carreira interrompida em um trágico acidente um dia antes de embarcar para o Canadá, onde faria sua última etapa de preparação para as Olimpíadas de Atlanta.

O documentário: “Brilho Imenso, a História de Claudio Kano” homenageia este grande atleta, que além de referência do tênis de mesa brasileiro, reunia características de um verdadeiro ídolo. O filme produzido pela Paranoid Brasil e dirigido por Denis Kamioka reúne animações estilo mangá japonês e depoimentos emocionantes para contar a história deste grande brasileiro. “Ele queria vencer pelo Brasil, isso é a coisa mais admirável que existe pra mim. Você defender seu país, ser um soldado do Brasil”, declarou seu amigo, o ex-jogador de basquete Oscar Schmidt, no documentário.

Confira o trailer do documentário: http://youtu.be/7hFdG5Nxg_Y

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

“México 1968 – Última Olimpíada Livre”

Você sabia que a primeira Olimpíada na América Latina aconteceu no México em 1968? Os Jogos Olímpicos foram realizados na Cidade do México a uma altitude de 2.300 metros do nível do mar. Foi a primeira vez que o número de nações participantes passou de uma centena. Os Jogos atraíram 112 países, 5.516 atletas, sendo 781 do sexo feminino.

O longa-metragem do diretor Ugo Giorgetti, “México 1968 – Última Olimpíada Livre”, conta a história da primeira edição latino-americana das Olimpíadas, realizada no México em 1968.

Confira o trailer pelo link: http://youtu.be/xwUA3cT_ZZs

O filme foi produzido pela primeira edição do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, que este ano distribuirá mais de 2 milhões de reais para a produção de mais nove roteiros sobre a história do Brasil e seus atletas nas Olimpíadas. Os novos projetos serão selecionados por meio de concorrência pública. As inscrições estão abertas e vão até o dia 24 de setembro pelo site www.memoriadoesporte.org.br. Qualquer produtora de vídeo do Brasil cadastrada na Ancine pode participar.

Por Alfredo Cardozo da Silva | Msports

One comment

  1. Bom dia!
    Primeiramente obrigado pela publicação, mas infelizmente terei que pedir a exclusão deste texto. O que eu havia enviado era uma sugestão de nota (sou assessor de imprensa), não gostaria de ver o meu nome na assinatura do texto. Se desejarem fazer uma matéria ou publicar qualquer uma das informações sintam-se a vontade!
    Atenciosamente,
    Alfredo Cardozo

Deixe um comentário