Voleibol

Homenagem aos 30 anos do ouro em Barcelona marca vitória do Brasil sobre o Japão

Jogadores do Brasil entraram em quadra com os nomes dos campeões de 92 (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)

Passado e presente do vôlei brasileiro se encontraram no ginásio Sesi Taguatinga (DF) para celebrar vitórias. Campeões olímpicos de Barcelona 1992 receberam uma homenagem da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) pelos 30 anos da medalha de ouro histórica. 

Já a seleção brasileira masculina encerrou a preparação para a Liga das Nações com um triunfo por 3 sets a 2 (25/20, 21/25, 23/25, 25/22 e 15/13) em amistoso contra o Japão. Nos uniformes da equipe atual, os nomes e os números dos craques que há 30 anos levaram o Brasil pela primeira vez ao alto do pódio olímpico.

“Essa homenagem da CBV é uma valorização da história do vôlei brasileiro. São 30 anos do nosso primeiro ouro olímpico e foi emocionante ver nossos craques do passado e do presente juntos. É uma história de vitórias que continua sendo escrita por essa geração atual”, diz Radamés Lattari, vice-presidente da CBV.

Carlão, Paulão, Giovane, Maurício, Marcelo Negrão, Pampa e Janelson estiveram no Sesi Taguatinga e foram reverenciados pela torcida. Amauri, Jorge Edson, Douglas, Tande e Talmo completam a equipe que conquistou o ouro, sob o comando de José Roberto Guimarães.  

“O sentimento é de gratidão. A história está aí para ser contada, e esses jovens estão aqui representando a gente. São memórias que precisam sempre ser resgatadas. Eu fico feliz por fazer parte de uma geração vitoriosa, que ajudou a tornar o voleibol o que é hoje. Agradeço ao vôlei e à CBV pela homenagem”, diz Maurício, que como os demais campeões olímpicos, recebeu um troféu com uma réplica da camisa usada na final olímpica de 1992, contra a Holanda, que foi entregue pela CEO da CBV, Adriana Behar, e pelo vice-presidente, Radamés Lattari. 

O oposto Alan foi o maior pontuador do confronto com os japoneses com 23 acertos. Outro destaque do jogo foi o aniversariante do dia, o ponteiro Rodriguinho, que marcou 15 pontos. Sobre o jogo, o técnico da seleção brasileira, avaliou como positivo o teste antes da estreia na Liga das Nações.

“Não poderíamos ter escolhido um adversário melhor para iniciarmos a temporada. É impressionante a quantidade de bolas que o time do Japão joga para cima, é um jogo que rende. Então, como teste, como treinamento, foi muito bom. Conseguimos colocar todos para jogar e eles renderam bem. Agora é só pensar na Austrália que é o nosso primeiro adversário na semana que vem”, analisou Renan.

Os dois amistosos contra o Japão serviram como preparação da seleção para a disputa da primeira etapa da Liga das Nações, que começa na terça-feira, no ginásio Nilson Nelson, em Brasília. A estreia do Brasil será na quarta-feira, dia 8, contra a Austrália, às 21h.

Para a primeira etapa da Liga das Nações o técnico Renan selecionou os levantadores Bruninho e Fernando Cachopa; os opostos Franco e Alan; os centrais Isac, Lucão, Flávio e Leandro Aracaju; os ponteiros Lucarelli, Rodriguinho, Vaccari e Adriano; e os líberos Thales e Maique. 

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.