Futebol

Treze e Botafogo decidem outra vaga para a fase final

Campeonato Paraibano

O Clássico Tradição reúne Treze e Botafogo em uma disputa que começou em 1939, numa época que o futebol paraibano dava seus primeiros passos. De lá para cá, Galo e Belo se enfrentaram em rivalidade acirrada. Esse duelo volta a ser atração nesta quarta-feira (5), às 21h30, no estádio Amigão, em Campina Grande.

O novo encontro vale pela fase semifinal do Campeonato Paraibano de 2020. Quem passar, ganha o direito de continuar brigando pelo título, contra o Campinense que passou pelo Sousa, nesta terça-feira.

A verdade é que o jogo reserva mais uma vez uma série de ingredientes que aumentam as expectativas dos torcedores dos dois clubes. O Treze tenta uma vitória, mas não é um resultado simples. O Galo tem a necessidade golear com vantagem de três gols para seguir.

Os botafoguenses têm folga, pois venceram o jogo de ida por 2 a 0. O regulamento recomenda que, nesta fase, o primeiro critério para desempate, depois dos dois jogos, é o saldo de gols. Com isso, o Botafogo lidera e pode se classificar mesmo perdendo por um gol. O time da Capital ainda pode decidir a vaga nas cobranças de pênaltis, caso perca por 2 a 0, 3 a 1…

Reforço no ataque
Mas o ataque do Treze não esteve bem no jogo passado. Os números mostram ainda que, ao longo da competição, o Galo produziu pouco na linha de frente. O próprio treinador do time alvinegro, Moacir Júnior, admite a necessidade de mudar este quadro. Nos 11 jogos, o Treze marcou apenas 11 gols, com média de um gol por partida.

A prova de que o ataque alvinegro precisa reagir é que um dos artilheiros do time é o zagueiro Breno Calixto, com dois gols. Os goleadores do Treze, ao longo da competição, são: Rafael Oliveira (2), Breno Calixto (2), Almir (2), Caxito (1), Talles (1), Gilmar (1), Nilson Júnior (1), Jefferson (do Sousa, contra).

Retrospectos de viradas
Os dirigentes, comissão técnica, jogadores e torcedores do Galo se apegam ao um histórico de viradas, conquistadas pelo time em temporadas recentes. Recorda o presidente do clube trezeano Walter Júnior, que em partida pela Copa do Brasil, o Treze venceu o Ubra-RS por 5 a 0, depois de ter perdido por 3 a 0, no jogo de ida, ficando com a vaga.

O dirigente também destacou que na temporada de 2011, o Treze havia sido derrotado por 4 a 0 para o Botafogo em João Pessoa e conseguiu devolver o placar na partida de volta. “O Treze já mostrou sua capacidade de virar resultados. Estamos prontos para mais uma vez superar um grande desafio”.

Quem joga quem fica fora

O treinador do Treze, Moacir Júnior, ainda não sabe se vai poder contar com o atacante Douglas Lima. O jogador saiu machucado no jogo passado e passou a ser dúvida no Galo. O departamento médico alvinegro tem se empenhado para colocar o atleta à disposição para a partida. Mas o meia Bruno Mota cumpriu suspensão e pode jogar com a camisa do Treze.

Enquanto isso, o treinador do Botafogo, Mauro Fernandes, tem um desfalque certo. Ele não vai poder escalar o meia Rodrigo Andrade. O jogador foi punido com o terceiro cartão amarelo. Para o lugar de Rodrigo Andrade, deve ser escalado Cássio Gabriel. Mas Mauro Fernandes ainda deve esperar até a hora do jogo para definir a escalação.

Tenta nova final
O Botafogo tem sobrado quando o assunto é a disputa de título do Campeonato Paraibano nos últimos anos. O time do Belo tenta ir à fase final da competição para aumentar o número de conquistas. Caso consiga a classificação, na partida deste quarta-feira (5), o Botafogo vai tentar o tetracampeonato paraibano, somando as conquistas de 2017, 2018 e 2019.

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.